SuperLiga do Europeu de Nações, onde compete Portugal, muda-se para a Polónia

 

O Conselho da European Athletics, reunido em vídeo conferência de 10 a 12 de novembro, tomou várias decisões sobre o futuro da modalidade, mas deixou outras tantas em aberto.
Logo nos primeiros dias surgiram as decisões sobre locais de grandes competições, nomeadamente a atribuição dos Europeus de Pista de 2024 à cidade de Roma (Itália), dos Europeus de Pista Coberta de 2023 a Istambul (Turquia) e dos Europeus de Corta-mato de 2021 a Fingal-Dublin (Irlanda) e de 2022 a Turim (Itália).

 

Sem comunicação especial, o Conselho decidiu confirmar os locais de realização do Europeu de Nações de 2021. A SuperLiga, das oito melhores seleções da Europa, a que Portugal conseguiu acesso ao vencer a 1ª Liga em 2019, inicialmente marcada para Misnk, na Bielorrússia, passa para Chorzow, na Polónia. A seleção polaca, vencedora da SuperLiga em 2019, defende assim o seu título em casa, perante as seleções da Alemanha, França, Itália, Grã-Bretanha, Espanha, Ucrânia e, como já foi referido, Portugal. A 1ª Liga está marcada para Cluj-Napoca (Roménia), a 2ª Liga pra Stara Zagora (Bulgária) e a 3ª Liga para Nicosia (Chipre).

 

Ainda na área das competições, foi decidido reservar sempre as mesmas datas para os Europeus de sub23 (13 a 16 de julho) e de sub20 (3 a 6 de agosto), com início na época de 2023; foi aprovado o Plano de Contingência para os Europeus de Pista Coberta em 2021 (Torun, Polónia), prevendo vários cenários, esperando a European Athletics que os melhores atletas possam competir.

 

Ainda sem definições absolutas fica o Dynamic New Athletics (DNA), sendo certo que já não se realizará a competição teste em pista coberta prevista para Torun, paralelamente aos Europeus de pista coberta, a EA espera que alguma das federações possa assumir a realização do evento, que comportará seis nações (incluindo a anfitriã), com equipas de 25 atletas.  dos seus membros.

 

Quando ao projeto em si, a EA continua a sua avaliação, agora em parceria com a Federação Espanhola (RFEA), que poderá ser uma iniciativa piloto a desenvolver com outras federações. A integração do DNA no Europeu de Clubes (antiga Taça dos Clubes Campeões Europeus) ainda está em estudo, tal como toda a estrutura do DNA, que terá um grupo diretor composta pelos membros do Conselho Cherry Alexander, Jean Gracia, Raul Chapado e Libor Varhanik.