Uma situação de confinamento voluntário ou obrigatório traz novos cenários ao nosso quotidiano. 

 

Texto do Doutor João Lameiras (Psicólogo da Equipa Multidisciplinar da Federação Portuguesa de Atletismo)

 

O surto de coronavírus 2019 (COVID-19) pode ser stressante para as pessoas. O medo e a ansiedade sobre uma doença podem ser esmagadores e causar emoções fortes em adultos e crianças. Lidar com o stresse fará com que o próprio, as pessoas de quem gosta e a sua comunidade se tornem mais fortes.

 

As pessoas reagem de maneira diferente a situações stressantes. A forma como reage ao surto pode depender da sua experiência anterior de vida, das coisas que o diferenciam de outras pessoas e da comunidade em que vive.

O stress durante um surto de doença infeciosa pode incluir:
•    Medo e preocupação com a sua própria saúde e com a saúde de seus entes queridos
•    Mudanças nos padrões de sono ou alimentação
•    Dificuldade para dormir ou se concentrar
•    Agravamento dos problemas de saúde crónicos
•    Maior uso de álcool, tabaco ou outras drogas

 

Estratégias para autogestão em situações de potencial stress:
•    Fazer pausas ao assistir, ler ou ouvir notícias, incluindo as redes sociais. Estar constantemente a ler/ouvir notícias sobre a pandemia pode ser perturbador.
•    Ter cuidado com o próprio corpo. Respire fundo, alongue ou medite. Tente fazer refeições saudáveis e equilibradas, exercite-se regularmente, durma bastante e evite álcool e drogas.
•    Arranjar tempo para relaxar. Tente fazer outras atividades que você gosta.
•    Conectar-se com outras pessoas. Converse com pessoas em quem confia sobre as suas preocupações e como se está a sentir.

Ligue para o seu médico se o stress condicionar repetidamente as suas atividades diárias por vários dias seguidos.

 

Reduza o seu stress e ajude a prevenir o dos que o rodeiam

 

Compartilhar os fatos sobre o COVID-19 e entender o risco real para você e as pessoas de quem você gosta pode tornar um surto menos stressante.

 

Ao compartilhar informações precisas sobre o COVID-19, você estará a ajudar as pessoas a se sentirem menos stressadas e permitirá que se conecte com elas.

 

Para os pais

 

As crianças e os adolescentes reagem, em parte, ao que veem nos adultos ao seu redor. Quando os pais e cuidadores lidam com o COVID-19 com calma e confiança, convertem-se numa fonte de melhor suporte para os seus filhos. Os pais podem ser mais tranquilizadores para os outros ao seu redor, especialmente as crianças, se estiverem melhor preparados.

Nem todas as crianças e adolescentes respondem ao stress da mesma forma. Algumas alterações comportamentais comuns podem incluir:
•    Choro ou irritação excessiva
•    Retrocesso relativamente a comportamentos que superaram (por exemplo, enurese)
•    Preocupação ou tristeza excessiva
•    Hábitos alimentares ou de sono não saudáveis
•    Irritabilidade e comportamentos extremados em adolescentes
•    Mau desempenho ou evitação escolar
•    Dificuldades atencionais e de concentração
•    Evitamento de atividades que no passado eram divertidas
•    Dores de cabeça inexplicáveis ou dores no corpo
•    Uso de álcool, tabaco ou outras drogas

Há muitas coisas que você pode fazer para apoiar e ajudar o seu filho:

•    Converse com o seu filho sobre o surto de COVID-19. Responda a perguntas e partilhe factos sobre o COVID-19 de forma simples e compreensível.
•    Tranquilize o seu filho quanto à sua segurança. Faça-o saber que está tudo bem se se sentir chateado. Partilhe com ele como você lida com o seu próprio stress, para que eles aprendam consigo a lidar com as emoções.
•    Limite a exposição da sua família à cobertura de notícias, incluindo as redes sociais. As crianças podem interpretar mal o que ouvem e podem ter medo de algo que não entendem.
•    Tente manter rotinas regulares. Se as escolas estiverem fechadas, crie um cronograma para atividades de aprendizagem e atividades relaxantes ou divertidas.
•    Seja um modelo. Faça pausas, durma bastante, faça exercícios e coma bem. Conecte-se com seus amigos e familiares.


Fontes: Organização mundial de saúde (www.who.org); National Center for Immunization and Respiratory Diseases (NCIRD), Division of Viral Diseases