A Federação Portuguesa de Atletismo tem amanhã a Assembleia Geral Eleitoral para a eleição dos Orgãos Sociais que irão dirigir os seus destinos no próximo quadriénio 2021/2024. A votação online será realizada através do seguinte link: https://certvote.com/mballot/FPA/login

 

A Federação Portuguesa de Atletismo (FPA), a escassos dias do seu 99.º aniversário (5 de novembro), prepara-se para eleger os órgãos sociais que tomarão conta do seu histórico património e encetarão o caminho do futuro da modalidade.

 

No ano de 2019, de acordo com o seu último relatório de contas, a modalidade geriu um orçamento superior a quatro milhões de euros (por força da realização dos Europeus de Corta-Mato em Lisboa, em 2019), tendo batido o seu recorde de filiados (19 439), que representam um aumento de cerca de 32 por cento em relação ao início do último quadriénio, o tempo vigente dos atuais órgãos sociais.

 

O património histórico da modalidade, já centenário, se tomarmos em consideração que os primeiros registos de atividades organizadas datam de 1895, sendo certa a disputa dos primeiros Campeonatos de Portugal no ano de 1910, aquando da realização dos primeiros Jogos Olímpicos Nacionais, numa iniciativa da Sociedade Promotora de Educação Física, marcou definitivamente a sua génese institucional no ano de 1921, altura em que uma comissão composta por Armando Sá, Carlos Bazílio Oliveira, Joaquim Oliveira e Sousa e Salazar Carreira tomou em mãos a estrutura da modalidade, com o nome de Federação Portuguesa de Sports Athleticos. Apenas em 1929, por alvará do Governo Civil de Lisboa, a FPA adotou a atual designação.

 

Desde então, o atletismo português tem vindo, paulatinamente, a subir no panorama do desporto português e, hoje, orgulha-se das centenas de medalhas alcançadas em todas as grandes competições, avultando aqui o facto de ser a única modalidade que ostenta o património de quatro campeões olímpicos: Carlos Lopes, Rosa Mota, Fernanda Ribeiro e Nelson Évora. Os únicos campeões olímpicos de todo o desporto português! Neste sentido, destaca-se também a excelência organizativa ostentada nas realizações no nosso país de algumas edições de Campeonatos do Mundo de Corta-Mato e Piosta Cobewrta, Campeonatos Mundiais de Juniores, de Estrada e de Meia Maratona, bem como de Campeonatos Europeus de Corta-Mato.

 

Refira-se ainda, em termos de sucessos, que a equipa de Portugal, na última edição do Campeonato Europeu de Nações, venceu a Primeira Liga, ascendendo ao grupo da Super Liga, que comporta as oito melhores seleções da Europa, cuja próxima edição que está agendada para se realizar em 2021, em Minsk (Bielorrússia).  

 

Nas eleições dos órgãos sociais, avulta o sufrágio para a figura do Presidente da Federação Portuguesa de Atletismo, figura adotada na legislação portuguesa do que era no passado o presidente da direção.

 

Assim, depois da primeira eleição oficial de um presidente (o que sucedeu em 1926), Fernando Pereira (que liderou a FPA até 1929 – mandatos de um ano), a modalidade conheceu um total de 18 presidentes (ver lista completa), um número que poderá, ou não ser alterado com as eleições marcadas para o dia de amanhã. É que, tendo surgido duas listas candidatas a liderar o futuro da modalidade, uma delas, designada como Lista A, tem como líder o atual Presidente, Jorge Vieira, que é o 18.º presidente da instituição. A Lista B tem como líder António Nobre, que se propõe a ser o 19.º presidente da FPA.

 

Atendendo ao contexto em que vive atualmente a sociedade portuguesa, a Assembleia Geral Eleitoral terá um novo formato de execução, sendo presencial (a Mesa da Assembleia Geral estará reunida no auditório do Centro de Medicina Desportiva de Lisboa), podendo ali aceder alguns dos eleitores constantes na lista divulgada na página da FPA respeitante às Eleições de 2021/2024, mas também tendo a componente online, com os associados a poderem votar eletronicamente, num serviço inovador. Mantendo a inovação, a FPA preparou a transmissão em direto dos resultados através da plataforma zoom, para os associados, abrindo a sua janela das redes sociais (transmissão em direto no Facebook) para toda a comunidade.

 

Nesse espaço, que está marcada para as 17 horas (mas que poderá ser antes, caso todos os eleitores exerçam o seu direito de voto antes do final marcada para a Assembleia Geral), para além da comunicação dos resultados, os líderes das duas listas farão uma breve declaração.

 

Refira-se, desde já, que de acordo com o processo concebido para a segurança da votação, a Mesa da Assembleia Geral Eleitoral, os mandatários das duas listas e seus representantes, estiveram reunidos para levar a efeito a abertura do ato eleitoral, gerando as chaves de segurança, que serão depois acionadas no final das eleições, para conhecimento dos resultados.