Livro foi apresentado num repleto auditório da Desmor

 

Umas pequenas histórias escritas aos domingos, no Facebook, levaram à “obrigação moral de escrever um livro”, assim descreve Jorge Miguel a génese da obra “De padeiro a treinador de campeãs do mundo”, um livro que é a história de vida do ribatejano, contada por ele próprio.

 

A obra, prefaciada pelas campeãs Susana Feitor e Inês Henriques, foi ontem apresentada no repleto auditório da Desmor, pela presidente do Município, Isaura Morais, pelo anterior autarca, Silvino Sequeira, pelo presidente do Comité Olímpico de Portugal, José Manuel Constantino, pelo presidente da Federação Portuguesa de Atletismo, Jorge Vieira, pela internacional Inês Henriques, e o representante da editora do livro, “O Mirante”, Joaquim António Emídio.

 

A presidente do Município começou por elencar a importância do ex-autarca Silvino Sequeira na mudança da cidade, em termos desportivos, sendo que muito desse êxito partiu dos feitos dos atletas treinados por Jorge Miguel, alguns deles presentes na sala, como Inês Henriques, Vera Santos, João Vieira,Miguel Carvalho e outros mais antigos e novos, outros treinadores de marcha e familiares.

 

Para Silvino Sequeira, o trabalho de Jorge Miguel levou a que Rio Maior tivesse atletas olímpicos desde os Jogos de 1992, em Barcelona, até aos dias de hoje.

 

Já para o presidente da Federação Portuguesa de Atletismo, Jorge Vieira referiu um estudo internacional que conclui que o nascimento desportivo dos atletas dá-se nas pequenas cidades e grupos. «Sobre o treinador, não tenho dúvidas de dizer que um dos seus maiores méritos foi o de ter mantido um diálogo importante com os seus atletas, deu-lhes a noção de que sim, era possível, acreditar. Abriu caminhos pouco trilhados anteriormente. Cito um treinador, que o ‘treino é uma arte, que um dia chegará a ciência’, e como tal Jorge Miguel foi um artesão que usa a palavra como ninguém», referiu.

 

Para a atleta campeã mundial e europeia de 50 km, Inês Henriques, o seu treinador foi um “homem que nasceu para o treino. Dedicou a vida ao atletismo e aos seus atletas. Esteve atento às oportunidades, mas isso só foi possível por ter consigo alguém fundamental para esse sucesso, a dona Teresa, a sua esposa, que sempre lhe deu todo o apoio», fechou a internacional, concluindo: «Ele é o mestre e está ao meu lado».

 

Já para o autor do livro, emocionado, «nem imaginam a alegria que sinto por ver esta sala assim cheia», esta foi uma obra que apenas conta umas histórias. «Não sou escritor. Sou treinador. Esta foi a minha maneira de ver as coisas em determinados momentos, nunca quis melindrar ninguém».