Campeã Europeia de Meia Maratona representará Portugal nos Campeonatos Mundiais da distância, que se realizam já este sábado em Gdynia (Polónia)

 

Texto: António Fernandes Fotos: Comunicação / FPA

 

Num ano de 2020 marcado pela pandemia de COVID-19, apenas uma competição internacional da World Athletics conseguiu manter-se no calendário. Trata-se da 24.ª edição dos Campeonatos do Mundo de Meia Maratona, que se realizará em Gdynia, na Polónia, com presença portuguesa na prova masculina (Luís Saraiva, Nuno Lopes, Rui Pinto e Samuel Barata) e na prova feminina (Jéssica Augusto e Sara Moreira). Previamente marcados para dia 29 de março, a pandemia obrigou ao adiamento da prova para o dia 17 de outubro e nesse momento ganhou uma entusiasta inesperada: a portuguesa Sara Moreira.

 

A atleta do Sporting Clube de Portugal comemorará o seu aniversário precisamente a 17 de outubro e confessou, em entrevista à Federação Portuguesa de Atletismo, que será a primeira vez que compete em dia de aniversário. "No início da época, depois de um horrível ano de 2019, com duas lesões muito prolongadas, esta competição não fazia parte dos meus planos, até pela data em que estava marcada. Contudo, quando surgiu a notícia do seu adiamento e quando foi divulgada a nova data, disse logo que tinha de competir nesta prova", declara.

 

Uma oportunidade única em 2020

 

O facto de ser esta a única grande competição internacional de 2020 é outro aliciante. "Depois de tudo o que me sucedeu em 2019, entrei em 2020 com muita esperança competitiva, até porque era a primeira vez que se iniciava o ano sem que eu tivesse alcançado os mínimos olímpicos. A minha opção é a maratona, mas as da primavera foram todas canceladas e no outono a mesma situação. Perante as incertezas agarrei esta oportunidade como um objetivo para lutar e trabalhar. Independentemente do que possa suceder, esta é uma competição que acaba por ser importante, porque pode ainda ser um ponto alto de um ano em que fiz apenas provas de pista, que servirá de preparação para o meu objetivo principal, a maratona", refere a atleta, que não olvida as novas condições que os atletas enfrentam, nomeadamente a questão da segurança.

 

"Tenho de ser sincera e referir que é um tema que mexe comigo. Não foi de ânimo leve que tomei esta decisão, mas esta é a minha vida. Esta é a minha paixão e o meu trabalho. Só posso estar agradecido por fazer o que gosto e ser paga por isso. Tenho receios, tenho dúvidas, mas não posso ficar parada. Nunca sabemos o que pode suceder. Tenho todos os cuidados para me proteger, mas tenho um filho na escola e estou sempre a pensar neste assunto. Sinto que todos iremos, de alguma forma, passar por isso, ganhar a tal imunidade de grupo, e como tal ultrapassar este obstáculo", diz a atleta.

 

Título europeu na bagagem

 

 

Em 2016, em Amesterdão, Sara Moreira sagrou-se campeã Europeia de meia maratona. Face ao cancelamento dos Campeonatos Europeus de Paris 2020, a atleta portuguesa continuará a ostentar esse título, que estará presente na linha de partida dos Mundiais.

 

"Na verdade é um título que tenho, que ninguém tirou", refere a atleta, que não o esperava manter este ano, pois "não era a distância em que iria competir nos Europeus de Paris, principalmente porque em Tóquio queria competir na maratona e, sendo a competição continental depois dos Jogos, de certeza que não faria a meia maratona". "Agora, uma vez que falam nisso, ao longo da minha preparação tenho pensado muito nesse momento lindo de Amesterdão. É a prova de que é possível acreditarmos nas nossas capacidades e, embora sejam realidades diferentes, leva-me a encarar melhor os Mundiais. Vamos partir da mesma linha, os resultados que se alcançarem serão o fruto do trabalho que fizemos", anota a atleta, que tem 44 internacionalizações e várias medalhas no seu currículo.

 

Sobre o seu objetivo – que é a prenda que gostaria de oferecer a si própria – adianta: "Tem muito a ver com o nível que atingi e com o que sou. Por isso, sinto que irei correr um pouco às 'escuras', uma vez que não houve competições a este nível em que eu pudesse participar. Sinto que fiz um bom trabalho, que o nível físico está em alta, assim como o psicológico, que o treino correu bem, pelo que agora espero que o resultado possa ser a prova do trabalho efetuado. A prenda que gostaria de me oferecer em dia de aniversário é sentir que dei tudo de mim, que me completei e entreguei completamente à competição", conclui a atleta, que tem a partida da sua prova marcada para as 11 horas na Polónia (10 horas em Portugal continental), contando com a companhia da colega de equipa Jéssica Augusto, que em 2016 obteve a medalha de bronze nos Europeus de Meia Maratona, em Amesterdão.